Você sabe o que é a taxa Selic, como ela é calculada e como influencia sua vida? Descubra essas e outras respostas agora!

Cansado de ler? Então ouça este artigo:

Taxa Selic: entenda o que é e todos os detalhes sobre como funciona a taxa básica de juros da economia brasileira

Mesmo que você não seja do ramo das finanças ou se interesse por assuntos correlatos, com certeza já ouviu alguma menção à Taxa Selic, certo?

No jornal ou em qualquer matéria sobre economia ou investimentos é comum a menção à Selic ou Taxa Básica de Juros, que são sinônimos, por sinal.

Mas, afinal…

O que é a taxa Selic?

Ilustração com as palavras taxa selic e pontos de interrogação

A Selic é a taxa básica de juros da economia brasileira.

Ou seja, é com base nela que outras taxas são definidas, como as usadas para empréstimos, financiamentos e até os rendimentos de alguns investimentos.

O que significa Selic?

Selic é a sigla para Sistema Especial de Liquidação e Custódia, um ambiente virtual onde acontecem as negociações de Títulos do Tesouro Nacional, ou seja, onde eles são comprados e vendidos por bancos.

Banner convidando para pedir o cartão Méliuz

É importante frisar que apenas instituições financeiras e o Banco Central do Brasil (Bacen) têm autorização para realizar transações no programa.

As negociações feitas através do sistema citado acima, denominado Selic, geram uma taxa média diária de mesmo nome.

Ela é, então, transformada em percentual anual e divulgada diariamente pelo Banco Central.

No entanto, este não é o valor propagado na mídia como Taxa Selic, vamos explicar o porquê no próximo tópico.

Selic Over

Acontece que, pelas regras do Bacen, um banco não pode fechar o dia com menos dinheiro em caixa do que começou.

Por isso, algumas instituições financeiras precisam pegar empréstimos de curtíssimo prazo (menos de 24h), para cumprir a regulamentação.

Neste processo, os títulos do governo negociados pelo programa virtual da Selic, explicado acima, são usados como garantia.

Esta transação tem como resultado a: Selic Over. Ela é a taxa de juros que rege o empréstimo de um banco a outro com títulos públicos como garantia.

A Selic Over também é a taxa praticada no mercado de investimentos para definir a rentabilidade de cada um deles.

A anunciada na imprensa é definida pelo Bacen através do COPOM (Comitê de Política Monetária do Banco Central).

Importante destacar que a Selic Over, geralmente, é 0,10 pontos percentuais menor que a Selic Meta (que será explicada adiante).

COPOM e Selic

Este comitê se reúne a cada 45 dias para fixar um valor para a Selic, este número é denominado de Selic Meta ou Meta Selic.

Ele pode aumentar, diminuir ou se manter estável. Nas últimas reuniões do COPOM, as reduções vêm acontecendo com frequência.

Semana passada (17/06) a Selic Meta sofreu seu oitavo corte consecutivo pelo comitê, chegando a 2,25%ao ano.

Pela explicação no tópico anterior, pode-se inferir que a Selic Over está na casa dos 2,15% a.a. com esta redução.

Selic Meta

A Selic Meta, por sua vez, é a que estamos acostumados a ouvir falar o tempo todo. Também chamada de taxa básica de juros.

Ela tende a ser a menor taxa da economia e é usada como parâmetro para calcular o custo de oportunidade de um investimento.

Assim, se o investimento rende menos que a Selic Meta, quer dizer que não vale a pena investir seu dinheiro e correr maiores riscos do que aplicar em títulos públicos, por exemplo, que são investimentos de baixíssimo risco.

Qual a taxa Selic hoje?

Ilustração de mulher e a frase

A taxa Selic hoje está em 2,25% ao ano.

Ela foi definida no dia 17 de junho de 2020, na última reunião do COPOM, e passará por nova análise em 45 dias.

Como é calculada a Taxa Selic?

O cálculo da Selic é feito com base em inúmeros fatores econômicos. A reunião para fixar o valor, que pode tanto aumentar, diminuir ou manter-se estável, dura 2 dias.

Dito isso, fica fácil entender que não é um cálculo simples de se fazer. No entanto, esta tarefa é delegada ao COPOM, que tem autoridade de ditar o valor da taxa Selic.

O principal fator, dentre os considerados para o cálculo, que justifica as mudanças na taxa é a instabilidade da economia, que precisa de um índice que equilibre as relações e garanta a circulação de moeda.

Taxa Selic: histórico

A taxa Selic foi criada em 1979, em meio a um cenário de hiperinflação. Dessa forma, seu objetivo desde sua idealização é o controle da inflação.

Já que atua como instrumento na regulação da inflação, qualquer ajuste na taxa resultará em uma resposta inflacionária proporcional.

Veja a figura abaixo e entenda o que acontece com cada setor da economia quando a Selic sofre uma queda:

Assim, ao aumentar a taxa, ocorre a desaceleração da economia, que funciona como um espécie de freio na inflação.

Este papel da Selic a elevou a um patamar importante na economia. Tanto que ela pode ser considerada um indicador da situação econômica do país.

Impactos da queda da Selic nos investimentos

No tópico anterior, vimos um pouco de como a alteração na Selic afeta os setores da economia.

Agora, vamos focar na rentabilidade dos investimentos frente à alteração na taxa básica de juros.

Os principais afetados com as oscilações na taxa são:

CDI x Selic

Ilustração representando CDI vs Selic

A taxa CDI (Certificado de Depósito Interbancário) e a Selic andam sempre juntas, sendo os principais indexadores para investimentos em renda fixa.

Como já explicado, a Selic é a taxa básica de juros da economia brasileira.

Dentre outras funções, ela é usada como base para o empréstimo de bancos e pessoas físicas ao Governo Federal (Títulos Públicos).

Já a Taxa CDI, conhecida apenas como CDI, é a taxa praticada nos empréstimos interbancários de curtíssimo prazo, mas sem garantia de títulos públicos. Caso contrário, estaríamos falando da Selic Over.

Com isto em mente, podemos traçar um paralelo: se a taxa CDI for muito menor que a Selic, os bancos irão preferir emprestar para o governo, gerando um desequilíbrio no sistema financeiro.

Em contrapartida, se a taxa CDI for muito maior que a Selic, a rentabilidade dos títulos que são indexados ao CDI subirá muito, o que também não é interessante para os bancos.

Como assim? Vamos dar um exemplo para facilitar a compreensão!

Se a Selic estivesse a 10% e a taxa CDI 9%, um banco tomaria dinheiro emprestado à taxa de 9% e investiria em títulos atreladas à Selic, ganhando 1% nessa operação.

Logo, se as taxas não forem próximas, haverá um movimento de maior interesse no investimento com a maior taxa, gerando liquidez apenas para os títulos públicos (Selic) ou para o CDI.

Quem regula os movimentos dessas taxas é o mercado interbancário, pela ação direta dos bancos, que ao verem uma oportunidade de ganho na diferença das taxas, realizam operações fazendo com que elas se reequilibrem.

Desse modo, se a taxa Selic está em alta, os bancos aumentam o valor do Depósito Interbancário, fazendo com que a taxa DI acompanhe o movimento e suba também.

Se a taxa Selic sofre uma queda, os bancos diminuem o valor cobrado pelo Depósito Interbancário. Assim, a taxa DI é pressionada para baixo e também cai.

Por estas taxas estarem sempre próximas, a queda na Selic impacta diretamente o rendimento de investimentos atrelados ao CDI, tais como: os Fundos DI, CDBs, LCs, LCIs e LCAs.

NuConta x Tesouro Selic

Ilustração epresentando Nuconta vs Tesouro Selic

A NuConta (conta de pagamentos do Nubank) tem rendimento de 100% do CDI, o que significa que terá seu rendimento afetado pela queda na Selic.

Neste momento, com a Selic no patamar em que está, a NuConta apresentaria um rendimento superior ao do Tesouro Selic.

Isso porque, com as recorrentes quedas da taxa básica de juros e a taxa de custódia cobrada pela bolsa sobre os títulos públicos, o rendimento do Tesouro Selic torna-se menor que o da NuConta.

Tesouro Selic ou Poupança

Com relação à Caderneta de poupança, o Tesouro Selic é uma aplicação mais vantajosa no longo prazo.

Primeiro, porque os títulos do Tesouro Direto são mais seguros até mesmo do que a Poupança, visto que são garantidos pelo próprio Tesouro Nacional.

Segundo, porque no longo prazo a rentabilidade é melhor. Basta analisar a partir de qualquer simulador de investimentos.

Considerando uma taxa de corretagem zero, o que é praticado por quase todas as corretoras para investimentos no Tesouro Direto, haveria um desconto apenas de 0,3% ao ano, que é a taxa de custódia anual cobrada por títulos públicos (CBLC).

De todo modo, hoje, com a Selic a 2,25% a.a., o Tesouro Selic ultrapassa o rendimento da poupança apenas após 12 meses, por dois motivos:

  1. A poupança não desconta IR;
  2. nem a CBLC de 0,3% a.a.

Estes dois descontos prejudicam a performance dos títulos públicos indexados à Selic no curto prazo, já que o desconto do imposto de renda é regressivo e diminui com o tempo, tornando o rendimento do Tesouro Selic superior ao da poupança após os primeiros 12 meses.

Selic baixa onde investir?

Ilustração de uma mulher segundo um cofrinho e a frase

Com a queda na taxa básica de juros, o ideal é que sua reserva de emergência continue aplicada em investimentos de alta liquidez, que, no geral, estarão com as rentabilidades afetadas, uma vez que esta é uma das principais características de aplicações de renda fixa.

Se você se interessa em ter um visão mais profunda sobre o assunto, leia este nosso outro artigo: Onde investir a reserva de emergência com a taxa Selic em 2,25%.

O restante do seu capital disponível para investimento deve ser alocado em ativos de renda variável, mas de um modo confortável para o seu perfil de investidor.

Opções não faltam. Para perfis mais conservadores, existem os ETFs, Fundos de Ações e Imobiliários (FIIs).

Já para investidores mais experientes e com valores maiores para aportar, ações no Brasil e exterior são opções viáveis.

Tesouro Selic como funciona?

Logo do Tesouro Selic

O Tesouro Selic é um dos Títulos do Tesouro Direto negociados diretamente pelo governo ou através das corretoras de valores.

Para aplicar nestes títulos, basta criar uma conta em uma corretora ou acessar diretamente o site do Tesouro Nacional.

Já fizemos análise de algumas plataformas de investimento, como: Rico, Easynvest, XP Investimentos, Clear, Banco Inter, BTG Pactual e Modal Mais.

Você pode ler sobre cada uma antes de escolher através de qual deseja investir!

Tesouro Selic Simulador

No site do Tesouro Nacional e na maioria das corretoras, é possível encontrar um simulador das rentabilidades dos diferentes títulos do Tesouro Direto.

As simulações geralmente levam em conta um valor de aporte inicial, uma quantia mensal de investimento (opcional) e um horizonte temporal ajustável.

Ao simular os valores das rentabilidades, a maioria das calculadores retorna os valores fazendo comparações com os demais títulos do Tesouro, poupança e CDI.

Vale ressaltar que as rentabilidades esperadas e mostradas nas simulações não são garantidas, pois se baseiam em projeções das condições econômicas, que podem sofrer mudanças.

Tesouro Selic: Rendimento

Como já foi explicado nos tópicos anteriores, o rendimento do Tesouro Selic é baseado na taxa básica de juros, mas sofre alguns descontos de IR (imposto de renda) e CBLC (custódia).

O imposto de renda sobre este tipo de investimento é regressivo e segue a regra:

imagem mostrando o imposto de renda regressivo do tesouro direto selic
Fonte: Site da Secretaria do Tesouro Nacional (STN).

Já a taxa de custódia é fixa e representa 0,3% a.a.

Como investir no Tesouro Selic

Temos um texto explicando um passo a passo de como investir no Tesouro Selic, veja: Tesouro Selic na prática: 5 passos simples.

Tabela Selic

Depois de mostrado o panorama geral da taxa básica de juros e de como ela afeta a vida dos brasileiros, vamos ver um pouco da sua evolução histórica na tabela a seguir.

Taxa Selic Mensal

Mês/Ano 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020
Janeiro 0,60% 0,85% 0,94% 1,06% 1,09% 0,58% 0,54% 0,38%
Fevereiro 0,49% 0,79% 0,82% 1,00% 0,87% 0,47% 0,49% 0,29%
Março 0,55% 0,77% 1,04% 1,16% 1,05% 0,53% 0,47% 0,34%
Abril 0,61% 0,82% 0,95% 1,06% 0,79% 0,52% 0,52% 0,28%
Maio 0,60% 0,87% 0,99% 1,11% 0,93% 0,52% 0,54% 0,24%
Junho 0,61% 0,82% 1,07% 1,16% 0,81% 0,52% 0,47%
Julho 0,72% 0,95% 1,18% 1,11% 0,80% 0,54% 0,57%
Agosto 0,71% 0,87% 1,11% 1,22% 0,80% 0,57% 0,50%
Setembro 0,71% 0,91% 1,11% 1,11% 0,64% 0,47% 0,46%
Outubro 0,81% 0,95% 1,11% 1,05% 0,64% 0,54% 0,48%
Novembro 0,72% 0,84% 1,06% 1,04% 0,57% 0,49% 0,38%
Dezembro 0,79% 0,96% 1,16% 1,12% 0,54% 0,49% 0,37%

Fonte: Receita Federal do Brasil

Selic Acumulada Mensalmente

Mês/Ano 2015 2016 2017 2018 2019 2020
janeiro 48,89 36,23 23,00 13,98 7,78 2,15
fevereiro 48,07 35,23 22,13 13,51 7,29 1,86
março 47,03 34,07 21,08 12,98 6,82 1,52
abril 46,08 33,01 20,29 12,46 6,30 1,24
maio 45,09 31,90 19,36 11,94 5,76 1,00
junho 44,02 30,74 18,55 11,42 5,29
julho 42,84 29,63 17,75 10,88 4,72
agosto 41,73 28,41 16,95 10,31 4,22
setembro 40,62 27,30 16,31 9,84 3,76
outubro 39,51 26,25 15,67 9,30 3,28
novembro 38,45 25,21 15,10 8,81 2,90
dezembro 37,29 24,09 14,56 8,32 2,53

Fonte: Receita Federal do Brasil

Previsão Selic 2020

O cenário demonstra expectativa de ainda mais cortes na taxa básica de juros até o final do 2020.

O esperado é que a Selic ao final de 2020 esteja na casa dos 2% a.a. ou menos.

Isso é o que o governo tem sinalizado com as repetidas diminuições da taxa.

Conclusão

A Selic é um importante componente do mercado financeiro.

Saber o que ela é e como afeta nosso dia a dia é importante para tomarmos melhores decisões financeiras.

Para isso, você também pode e deve contar com o Mobills, tanto na parte de organização e controle de gastos como para se manter bem informado!

Comente, nos siga nas redes sociais e compartilhe este conteúdo!

O que achou do artigo sobre a taxa Selic?

Se gostou, então, cadastre-se em nossa newsletter para receber as novidades em primeira mão e compartilhe esse post com seus amigos e familiares que possam se interessar.

Quer acompanhar nosso conteúdo também no Instagram? Clique aqui e siga o @mobillsedu!

Não deixe também de acessar o canal do Mobills no Youtube.

A sua opinião é muito importante para nós! Sendo assim, sugira novos temas, deixe seu comentário.


VEJA TAMBÉM:

Postado em: Investimentos


Escrito por Ariane Lopes

Ariane Lopes, redatora do Portal Mobills. Formada em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Ceará - UFC e Pós-graduanda em Gestão Pública pela Universidade Católica Dom Bosco - UCDB. Pesquisadora incansável dos temas educação financeira e finanças pessoais. Principais hobbies: assistir documentários, ler, organizar eventos e viajar.


Hey, o que você achou desse conteúdo?

Inscreva-se
Notificar de
guest
3 Comentários
mais antigos
mais novos mais votados
Inline Feedbacks
View all comments
jon
jon
16 dias atrás

bom dia
parabéns pelo artigo. Muito bem esplanado.
Em relação a instituições de pagamento a exemplo da Mercado Pago, que rende 100% da CDI, o fato dela não ser banco, é seguro compor um fundo de emergência nesse tipo de instituição. O Mesmo vale para Nubank?
obrigado
ótima semana a todos!!!

Karla
Karla
16 dias atrás

Nossa, ótimo esse artigo!!! Quanta informação e de maneira tão palpável!!
Muito obrigada

Junte-se a mais de 239.950 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

logo-mobills-app

Baixe agora para o seu dispositivo

logo-mobills-app
logo-mobills-app
logo-mobills-app