Planejamento Financeiro

Pais de primeira viagem: planejamento financeiro para ter filhos

Casal ensinando a filha a andar de bicicleta simbolizando o tema Planejamento financeiro para ter filhos
Victor Leitão
Escrito por Victor Leitão

Vai se tornar pai ou mãe em breve? Saiba como melhorar a sua segurança financeira.

Pais de primeira viagem: planejamento financeiro para ter filhos

Banner convidando para o site do Mobills

Ter um filho é uma delícia. Mas um fato não pode ser deixado de lado: a rotina muda, as prioridades também. A segurança financeira passa a vir em primeiro lugar.

Por isso, para curtir o novo membro da família sem ter dor de cabeça com preocupações com dinheiro, planejar é preciso.

O ideal é que o planejamento financeiro para ter um bebê comece cerca de dois anos antes do nascimento da criança para que, quando o momento especial acontecer, você tenha todos os recursos necessários para dar ao bebê e para toda a família o que eles necessitam.

Quer saber quais as melhores práticas de organização e de controle financeiro para pais de primeira viagem? Confira o nosso artigo de hoje!

Planejamento financeiro para ter filhos

 

Analise a situação das finanças da família

O primeiro passo do planejamento financeiro para a chegada de um bebê é uma análise cuidadosa das finanças da família. É preciso colocar no papel ou em um aplicativo de controle financeiro quais são as principais receitas (salário, rendimentos e renda extra) e todos os gastos separados por categorias, como Moradia, Alimentação e Transporte.

Depois de elencar todas as entradas e saídas do orçamento familiar, é essencial analisar se as receitas superam as despesas. Caso a família esteja gastando mais do que ganha, sinal vermelho.

Será preciso trabalhar no corte de gastos e, talvez, considerar formas de conseguir uma renda extra para equilibrar a balança.

Liste os gastos previstos, priorizando aqueles essenciais

Depois de analisar a situação financeira da família, é importante olhar para o futuro e prever os gastos que terão da gestação até os primeiros anos da criança. Das reformas necessárias no imóvel até a montagem do enxoval do bebê, passando por remédios e móveis.

Na hora de criar o planejamento financeiro, separe aquilo que é essencial do que é supérfluo. Produtos como berço, carrinho, trocador, fraldas e mamadeira são itens que não podem ser deixados de lado. Já roupinhas de grife, brinquedos tecnológicos e outros acessórios não são essenciais e podem ficar para um segundo momento.

Economize, pelo menos, 20% da renda líquida da família para os primeiros gastos com o bebê. Veja como cortar gastos supérfluos sem comprometer o orçamento!

Crie uma reserva financeira

Ter uma reserva para emergências é importante, mesmo para quem ainda não pensa em ter filhos. No entanto, caso haja planos de ter um bebê, esse ponto se torna ainda mais necessário.

Afinal, é a segurança da família que está em jogo! O ideal é ter um fundo de emergência com um valor que corresponda a, pelo menos, três meses de despesas mensais.

Na hora de estipular a quantia, considere os gastos que já terá com o bebê. Lembre-se de colocar o dinheiro em um tipo de investimento que tenha liquidez, já que você pode precisar retirar a quantia a qualquer momento. Aprenda a montar sua reserva de emergências.

Reveja seu estilo de vida

A decisão de ter um bebê impacta a vida de um casal como um todo. Cortar gastos, na maioria das vezes, passa a ser uma necessidade.

Para isso, mudar alguns hábitos pode ser preciso. Para economizar, as saídas noturnas para barzinhos e boates podem ser substituídas por encontros em casa.

Em vez de jantar fora toda semana, é possível buscar opções de lazer gratuitas e tão divertidas quanto, como praia, museu e parque.

O importante é entender quais são os gastos supérfluos que podem ser cortados ou reduzidos, para que assim, seja possível economizar para a chegada do bebê. Quer controlar seu orçamento? Veja como.

Conte com a família e com os amigos

Em tempos de economia, contar com a ajuda de amigos e família faz toda a diferença. Realizar um chá de fraldas, por exemplo, ajuda a montar um estoque de um item caro e essencial para qualquer criança.

Um chá de bebê também pode ser uma boa ideia: é uma forma de economizar no enxoval, que pode ser comprado após o evento. É comum, ainda, que as pessoas façam doações de itens como cadeirinha, berço, trocador, carrinho e até roupinhas.

Fique ligado nas suas redes sociais e não hesite em aceitar esses itens que, na maioria das vezes, foram pouco usados e estão seminovos.

Pesquise preços

A diferença de preço de um mesmo produto é absurda dependendo da loja em que você compra e, até mesmo, do bairro em que você pesquisa. Por isso, para não estourar o orçamento, pesquisar preços antes de comprar qualquer item deve se tornar rotina para os futuros papais.

A internet torna a tarefa muito mais fácil. Basta acessar sites de pesquisa de preço e ver quanto determinado item está custando em lojas físicas e online.

Crie uma planilha com os produtos e respectivos preços para se certificar que está gastando apenas o que pode.

Um alerta: não deixe de checar ainda a reputação da loja. Afinal, não adianta nada pagar menos e não receber o produto ou levar algo de baixa qualidade, que pode comprometer a segurança do bebê.

Considere fazer um plano de saúde

Ter um bebê implica em diversos custos relativos à saúde: pré-natal, acompanhamento ginecológico, além do parto e outros cuidados médicos necessários. São gastos caros, que podem desequilibrar qualquer orçamento familiar.

Quem não tem plano de saúde pode considerar contratar um antes de engravidar. São várias as opções disponíveis no mercado.

Analise cada uma delas considerando as necessidades que terá durante a gravidez. É importante, ainda, saber o valor das mensalidades, quanto custará para adicionar um novo membro e o que o plano cobre efetivamente.

Consuma de forma consciente

Investir em um planejamento financeiro é a chave para ter um bebê sem ter que se preocupar constantemente com questões relativas às finanças. Seja realista, coloque tudo no papel e pense no futuro.

Tenha a consciência de que a forma de consumir terá que mudar, pois as prioridades passam a ser outras. Consuma de forma consciente e não perca seus objetivos financeiros de vista.

Assim, o seu primeiro filho não inviabilizará a realização de outros sonhos, como comprar um apartamento, um carro ou fazer uma viagem de férias.

*****

Leia mais:

Quer economizar na viagem de férias? Veja algumas orientações.

O que é planejamento financeiro e por que você deve levá-lo a sério?

Como contornar desvios no planejamento financeiro

Já começou a preparação para ter um filho? O que está fazendo para economizar? Escreva suas sugestões e dúvidas nos comentários abaixo sobre um planejamento financeiro para ter filhos!

Banner convidando para o site do Mobills

Gostou do artigo Pais de primeira viagem: planejamento financeiro para ter filhos? A sua opinião é muito importante para nós! Sugira novos temas, deixe seu comentário.

Comentários

Sobre o autor

Victor Leitão

Victor Leitão

Victor Leitão, coordenador de marketing do Mobills e editor-chefe do Portal Mobills, tem 26 anos, mora em Fortaleza-CE. Formado em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Ceará - UFC e técnico em informática pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - IFCE. Pesquisador incansável dos temas educação financeira e finanças pessoais. Principais hobbies: assistir filmes/séries, jogar futebol/Dota 2 e viajar.