Planejamento Financeiro

Aprenda como organizar o orçamento doméstico em 4 etapas

Casal com calculadora analisando como organizar o orçamento
Victor Leitão
Escrito por Victor Leitão

Está perdido com as contas de casa? Resolva esse problema organizando seu orçamento! 

Aprenda como organizar o orçamento doméstico em 4 etapas

Banner convidando para o site do Mobills

Como está a situação financeira da sua família? Vocês normalmente conseguem poupar algum dinheiro e realizar os objetivos de vida ou estão sempre endividados e com dificuldades no orçamento?

Para começar a poupar, atingir uma situação financeira melhor e conseguir realizar os objetivos de vida é necessário organizar o orçamento doméstico.

De acordo com o presidente da Dsop Educação Financeira, Reinaldo Domingos, para que a família possa alcançar a tranquilidade financeira, os membros devem conversar entre si sobre o tema das finanças familiares e seguir 4 etapas fundamentais. Veja quais são!

Como organizar o orçamento doméstico em 4 etapas

 

1. Analise detalhadamente as finanças familiares

Deve ser feito um verdadeiro diagnóstico das finanças da família, ou seja, todos os gastos e rendimentos de todos os membros da família devem ser anotados com muita precisão, para que se descubra o real valor de quanto entra de renda e com o que o dinheiro está sendo gasto.

Segundo Domingos, toda e qualquer despesa deve ser anotada minuciosamente. Algumas pessoas podem achar esta tarefa entediante, mas isso é fundamental para o efetivo controle e melhora do seu patrimônio.

Afinal, vocês querem ou não querem viver bem, realizarem seus sonhos e terem tranquilidade financeira?! Lembrem-se disso sempre, assim vocês realizarão essa tarefa com muita dedicação e com certeza terão ótimos resultados financeiros.

Para ajudar nessa tarefa, vocês podem escolher a maneira que melhor lhes convier, seja aplicativos no celular (como o Mobills), uma planilha ou até mesmo um caderno.

2. Corte/diminua os gastos supérfluos

O educador afirma que logo após a análise do orçamento familiar quase sempre as pessoas percebem que é possível diminuir os gastos de 20% a 30%. Mudar o pacote de TV a cabo ou o plano de celular são alguns dos exemplos.

Para o especialista, o cafezinho de todo dia ou o cinema da semana podem parecer inofensivos, num primeiro momento, entretanto, são nessas “pequenas despesas” que se desenvolvem os excessos: a taxa de conveniência na hora de adquirir ingressos pela internet, a luz do abajur, o banho demorado…

Vocês devem se fazer a seguinte pergunta: Isso é realmente necessário para a minha vida, todos os dias? Ao analisar seus hábitos, vocês irão perceber que esses gastos desnecessários podem estar obstruindo a busca por dinheiro.

3. Tenha projetos de vida no curto, médio e longo prazos

Fazer uma viagem, trocar de carro, planejar a aposentadoria ou comprar a casa própria. Calculem o quanto irá custar cada um desses projetos e quanto tempo irá demorar para realizar cada um deles.

Quando vocês conseguirem realizar um destes sonhos, substitua-o por outro objetivo. Contudo, muita atenção: não use todo o dinheiro poupado para satisfazer desejos imediatos, que impedem a realização dos objetivos maiores!

4. Invista para realizar os sonhos

Para saber onde aplicar o dinheiro, deve-se levar em conta o prazo de cada objetivo:

– Objetivos de longo prazo (acima de 10 anos): valores podem ser aplicados em títulos indexados à inflação do Tesouro Direto.

– Objetivos de médio prazo (1 a 10 anos): dinheiro pode ser aplicado também no Tesouro Direto, CDBs, fundos de investimento;

– Objetivos de curto prazo (até 1 ano): dinheiro deve ficar numa aplicação fácil de retirar, tal como o título do Tesouro Direto indexado à Selic;

Muita atenção para os gastos fixos!

Samy Dana, professor da FGV, explica que as despesas fixas, tais como água, luz, supermercado, condomínio, plano de saúde, telefone e internet, TV a cabo e escola devem estar limitadas a 50% da renda. “Se estiver muito acima disso, é hora de repensar o padrão de vida para adaptar à realidade da renda”, afirma.

Se o endividamento familiar for apenas uma questão temporária, é possível cortar despesas supérfluas para resolver esse desajuste casual. No entanto, se os gastos fixos consomem a maior parte da renda mensal, é sinal que a família está vivendo em um padrão de vida inadequado à sua realidade financeira.

Sendo assim, para que a situação financeira volte a ser estável e tranquila, deve-se reduzir os gastos e passar a poupar ao menos 10% da renda todo mês. “Essa decisão deve ser muito bem pensada, pois requer uma mudança estrutural, como trocar a escola dos filhos ou mudar de casa”, conclui Dana.

Leia mais:

22 dicas essenciais para ajudar você a controlar o orçamento

Como elaborar um planejamento financeiro pessoal incrível em 13 passos

Controle do orçamento familiar: os 7 erros mais frequentes

Curtiu as dicas sobre como organizar o orçamento doméstico em 4 etapasSua família já controla efetivamente o orçamento doméstico? Tem alguma outra sugestão? Compartilhe conosco!     

Banner convidando para o site do Mobills

Gostou do artigo Aprenda como organizar o orçamento doméstico em 4 etapas? A sua opinião é muito importante para nós! Sugira novos temas, deixe seu comentário.

Comentários

Sobre o autor

Victor Leitão

Victor Leitão

Victor Leitão, coordenador de marketing e especialista em finanças pessoais do Mobills, além de ser o editor-chefe do Portal Mobills. Formado em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Ceará - UFC e técnico em informática pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - IFCE. Pesquisador incansável dos temas educação financeira e finanças pessoais. Principais hobbies: assistir filmes/séries, jogar futebol/Dota 2 e viajar.

Deixe um comentário