Novo financiamento habitacional da CAIXA fixa taxa de juros entre 8% e 9,75%

Banner convidando para o Mobills

A nova modalidade que a Caixa Econômica Federal anunciou para financiamento de imóveis residenciais é válida apenas para novos contratos junto à instituição.

No entanto, quem optar pela portabilidade, que significa transferir a dívida de um banco para outro, poderá se beneficiar dos juros fixos.

O financiamento habitacional com taxa fixa foi disponibilizado na última sexta-feira (21/02) e poderá ser contratado para financiar até 80% dos valores totais dos imóveis em um prazo máximo de 360 meses (30 anos).

Atualmente, a Caixa oferece aos seus clientes três diferentes tipos de financiamento, que são, segundo os juros:

  • Taxa de juros corrigida pela TR: nesta modalidade, os juros são a partir de 6,5% ao ano + Taxa Referencial (que no momento está zerada e, nos últimos 10 anos, em 7 não passou de 1%).
  • Taxa de juros corrigida pela inflação: neste caso, os juros começam à taxa de 2,95% ao ano, mas são acrescidos do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), que no ano passado atingiu 4,3%.
  • Taxa fixa: diferentemente dos dois anteriores, as taxas neste modelo são as mesmas do início ao fim do contrato e variam entre 8% e 9,75%.

Novo modelo de juros fixos

A principal vantagem dessa nova possibilidade oferecida pela Caixa é a certeza do percentual de juros a serem pagos durante todo o contrato, no caso variam entre 8 e 9,75% ao ano.

Para correntistas da Caixa, as taxas praticadas serão de 8% a 9,5% ao ano. Para os que não têm conta no banco, a taxa fica em 9,75%a.a.

A desvantagem dessa modalidade é que o valor da parcela começa maior e os juros são igualmente pesados.

Por outro lado, em um momento de instabilidade econômica, no qual a inflação é imprevisível, o juro fixo pode apresentar uma boa opção.

Na atual conjuntura econômica, a melhor opção é a correção pela TR, que está zerada há algum tempo e quando, em um passado recente, saiu desse patamar nos últimos 10 anos, passou 7 deles atingindo o máximo de 1%.

Entretanto, contratos habitacionais são de longo prazo, o que em uma economia pouco estável como a brasileira pode representar muitas reviravoltas, principalmente do ponto de vista inflacionário.

Desta forma, para os que não pretendem quitar suas dívidas imobiliárias em tempos menores como 10 anos ou menos, a opção pela taxa de juros corrigida pela inflação pode ser uma manobra bem perigosa.

Objetivo do financiamento com juros fixos

O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, declarou que a medida visa ajudar a população mais carente, já que esta está mais exposta em tempos de crise e oscilações financeiras.

Segundo Guimarães, os juros fixos beneficiam matematicamente os brasileiros e protegem os mais vulneráveis economicamente, em momentos de alta inflação.


Juros compostos: entenda melhor esse conceito que pode mudar sua vida financeira


Novo modelo e a portabilidade

Como o financiamento a juros fixos é uma novidade, o cliente pode ter dificuldades em fazer a portabilidade de seu contrato.

Desse modo, é importante estar ciente dos pontos fortes e fracos do novo modelo para tomar uma boa decisão.

Simulador Caixa

Outro artifício que a Caixa lançou mão para ajudar seus clientes a decidirem qual o melhor tipo de financiamento para o seu perfil foi o SIMULADOR HABITACIONAL CAIXA.

O programa tem uma série de opções e ao final retorna o melhor produto disponível para o seu perfil e objetivo.

P.s.: Gostou da notícia sobre o novo financiamento habitacional da Caixa? Então, compartilhe com seus amigos e familiares através das redes sociais.

A sua opinião é muito importante para nós. Sendo assim, sugira novos temas, deixe seu comentário.


APRENDA MAIS:

Fundos imobiliários: aprenda tudo de mais relevante sobre esse tipo de investimento!


View this post on Instagram

SABE COMO CLASSIFICAR SUAS DESPESAS? ⠀ Mapear e registrar todos os seus gastos é o primeiro passo para conseguir classificar as despesas entre variáveis e fixas no seu orçamento doméstico. ⠀ Mas, para conseguir classificar suas despesas da melhor maneira possível, você primeiro deve entender a diferença entre as despesas fixas e as variáveis. ⠀ De forma simples e clara, sempre tenha em mente que as despesas fixas são aquelas que independem do seu nível de consumo. ⠀ Exemplos de despesas fixas: O aluguel; a taxa de condomínio; a prestação de um imóvel ou carro (financiamentos em geral); a mensalidade da academia; internet; a assinatura da tv a cabo; serviços de streaming; etc. ⠀ Este tipo de despesa é fixo porque não sofre alteração à medida que você consome, frequenta ou usufrui daquilo que está tendo acesso. ⠀ Por outro lado, as despesas variáveis são aquelas que oscilam de acordo com a frequência e intensidade de consumo. ⠀ Ou seja, a alimentação pode ser definida como uma despesa variável, pois quanto mais você come, mais você gasta. ⠀ Seguindo o mesmo princípio, quanto menos você comer, menos você gastará com alimentação. ⠀ O simples entendimento desses dois conceitos pode fazer você gastar menos no final do mês! ⠀ Gostou das dicas? Então curte e compartilha com os seus amigos! 😆 ⠀ Siga @mobillsedu e @mobillsapp ⠀ 📲 Ative as notificações! 💙 Se gostou, deixar o like e seu comentário, isso é muito importante para nós. 📌 Se não tem tempo para ler agora, salve este post para ler depois. ⠀ #mobillsedu #aprendizmb #educacaofinanceira #financaspessoais #dicas #dicasfinanceiras #despesas #despesasfixas #despesasvariaveis #economizar #casa #dicasdecasa #quemcasaquercasa #dinheiro

A post shared by Mobills Educação Financeira (@mobillsedu) on