Investimentos

Quais são os melhores investimentos em renda fixa para 2018?

Cédulas de dinheiro simbolizando os melhores investimentos em renda fixa para 2018
Ana Cláudia Inez
Escrito por Ana Cláudia Inez

Na hora de decidir o melhor investimento para você, lembre-se de considerar suas necessidades e expectativas em primeiro lugar.

Quais são os melhores investimentos em renda fixa para 2018?

Banner convidando para o site do Mobills

O começo do ano é o momento em que muitas pessoas começam a definir novas prioridades, traçar metas e fazer planos.

Entre as resoluções que estão sempre presentes nas listas está a vontade de ter um plano de investimentos e alcançar a tão sonhada independência financeira.

Quem está no time que deseja cuidar melhor do próprio dinheiro em 2018, além de aprender a poupar, deve saber onde investir.

Essa decisão deve ser embasada em dados concretos, pois uma escolha errada pode colocar todo o planejamento a perder.

Quem ainda não tem muita expertise no assunto, ou aqueles que desejam diversificar a carteira, costumam começar pelos investimentos em renda fixa.

Eles tendem a ser bastante seguros e podem oferecer retornos interessantes. Normalmente, estão atrelados a três indicadores econômicos: CDI, Selic e inflação. Entenda melhor cada um deles:

Conheça os melhores investimentos em renda fixa para 2018

 

Taxa Selic

Esta é a taxa básica de juros da economia brasileira, utilizada pelo governo e pelo Banco Central do Brasil para controlar a emissão, a compra e a venda de títulos.

Em 2017, a Selic teve 10 cortes consecutivos, definidos pelo Comitê de Política Monetária do país. Uma das principais consequências dessa mudança foi a queda do rendimento da poupança.

Esta situação contribuiu para os poupadores em todo o país retirassem seu dinheiro da caderneta e buscassem opções de títulos mais rentáveis.

Inflação

A inflação é um termo utilizado na área da economia para se referir ao aumento de preço dos produtos e serviços no Brasil. Está vinculada a diversos títulos disponíveis no mercado.

A equipe econômica do Ministério da Fazenda conseguiu controlar a inflação em 2017, fechando o ano passado em um dos menores patamares dos últimos anos.

CDI

A sigla se refere a Certificado de Depósito Interbancário e está ligada a títulos emitidos por instituições financeiras com o objetivo de transferir recursos entre si.

Geralmente, o CDI acompanha os movimentos da taxa Selic. Portanto, ele também teve seu valor reduzido em 2017.

Devido a esses fatores, alguns títulos de renda fixa vivenciaram uma queda de rentabilidade nos últimos tempos. No entanto, isso não significa que deixaram de ser atrativos.

Mesmo com o rendimento mais baixo, esses investimentos continuam sendo uma ótima alternativa para fazer seu dinheiro trabalhar para você.

Agora que você conheceu as principais taxas relacionadas à modalidade de renda fixa, vamos ao que realmente importa: conheça os títulos com potencial para se tornarem o melhor investimento em renda fixa de 2018.

Tesouro Direto

O ano de 2017 foi bem generoso com o Tesouro Direto. Isso porque o número de pessoas cadastradas no programa bateu recordes. Para 2018, o esperado é que este movimento continue a pleno vapor.

O Tesouro Direto é um investimento em renda fixa muito conhecido pela sua segurança e liquidez. Isto quer dizer que é possível resgatar o dinheiro aplicado a qualquer momento.

Quando você compra um título do Tesouro, significa que, de certa forma, você está emprestando seu dinheiro para o Governo Federal financiar sua dívida interna, entre outras coisas.

Em troca, o governo devolve o dinheiro em uma data combinada, acrescido de juros.

Este tipo de investimento oferece 3 possibilidades: títulos prefixados, pós-fixados e atrelados à inflação.

  • Prefixado: nesta categoria, você tem conhecimento sobre o valor que irá receber pelo investimento já no momento da compra. Em 2017, este investimento se destacou no mercado, uma vez que, devido às quedas da Selic, houve um aumento de interesse entre os investidores por esse título. Em 2018, por outro lado, a perspectiva de analistas é que esse títulos já não sejam tão atrativos, por causa da possibilidade de manutenção dos juros em patamares mais baixos.
  • Pós-Fixado: os títulos desse grupo também são conhecidos como Tesouro Selic (LFT) porque seu valor possui correção pela movimentação da Taxa Selic. Em 2017, este título acabou perdendo atratividade devido à queda da taxa básica de juros. Se neste próximo ano a taxa permanecer em queda, estes títulos provavelmente serão considerados uma alternativa secundária de investimento, dizem os especialistas.
  • Atrelado à inflação: esse título também pode ser chamado de híbrido, já que possui características do título prefixado e também do pós-fixado. Segundo profissionais do mercado, este título pode não ser uma boa opção para os investidores que buscam aplicações com altas rentabilidades em 2018. Entretanto, pode ser uma boa opção para aqueles que buscam proteger capital em investimentos de longo prazo.

CDB

O Certificado de Depósito Bancário (CDB) é um título de renda fixa extremamente seguro, que é emitido por bancos como forma de captação de recursos para financiar suas atividades.

Para 2018, o CDB continuará como uma excelente alternativa de investimento. Mesmo que a maioria desses títulos seja atrelada ao CDI, é possível que essa modalidade continue trazendo bons retornos aos investidores.

Nesse sentido, é importante pesquisar bastante sobre as opções disponíveis no mercado, já que existem CDBs com diferentes prazos e preços.

Um boa ideia é checar as alternativas em bancos de menor porte, já que muitos deles oferecem condições melhores para atrair investidores.

Letras de Crédito

A Letra de Crédito Imobiliário (LCI) e Letra de Crédito do Agronegócio (LCA) são títulos de renda fixa emitidos por bancos ou corretoras.

Como o próprio nome já indica, o investidor que adquire títulos LCI ou LCA está aplicando dinheiro para que a instituição financeira utilize em financiamentos no ramo de imóveis ou no ramo agropecuário.

As LCI e LCA são aplicações financeiras protegidas pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC). Ou seja, caso a instituição em que se fez o investimento quebre, é possível ter o dinheiro de volta, respeitando os limites e as condições exigidas pelo FGC.

É possível que LCI e LCA ganhem certa relevância em 2018, caso a recuperação econômica continue em ritmo positivo.

Com isso, os setores que os papéis estão atrelados, isto é, o imobiliário e o agronegócio, terão forte potencial de crescimento e, consequentemente, irão demandar mais financiamento, o que faz com que bancos consigam melhorar as condições dos títulos oferecidos.

Além das opções abordadas neste artigo, sugiro que você pesquise um pouco mais sobre outras possibilidades existentes no mercado que também podem oferecer rendimentos bastante interessantes em 2018.

Na hora de decidir o melhor investimento para você, lembre-se de considerar suas necessidades e expectativas em primeiro lugar. Nem sempre a melhor escolha para o seu vizinho ou sua namorada, será a mesma para você.

Outra dica importante quando o assunto é melhores investimentos de 2018 é prestar muita atenção ao que acontece no Brasil e no mundo. Alguns fatos podem colaborar ou prejudicar suas aplicações.

Por isso, neste ano, temas como eleições, juros e atividade econômica devem estar sempre no seu radar.

*****

LEIA TAMBÉM:

Conheça o Tesouro Direto e aprenda a investir nele em 5 passos

Será que vale a pena investir por conta própria?

Como priorizar e economizar para diferentes objetivos

*****

Comentários