Notícias

IPCA cai mais que o esperado em junho e tem 1ª deflação mensal em 11 anos

Victor Leitão
Escrito por Victor Leitão

Resultado reflete a queda nos preços de alimentação, habitação e transporte.

*Conteúdo publicado originalmente por Época Negócios

Banner convidando para o site do Mobills

A inflação oficial brasileira registrou em junho a primeira deflação mensal em 11 anos e no menor nível em quase 20 anos, devido à queda nos preços de alimentação, habitação e transporte, favorecendo ainda mais o processo de queda de juros.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) caiu 0,23% no mês passado, primeira variação negativa desde junho de 2006 (-0,21%), informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira.

Também foi o menor nível desde agosto de 1998 (-0,51%), com a queda de junho maior do que esperado em pesquisa da Reuters (-0,17%) com analistas, após ter subido 0,31% em maio.

Nos 12 meses até junho, a alta do IPCA desacelerou a 3%, sobre 3,6% em maio, chegando ao limite inferior da meta oficial de 4,5%, com tolerância de 1,5 ponto percentual neste ano e em 2018.

As principais influências em junho foram exercidas pelos preços de alimentos, habitação e transporte, que juntos respondem por cerca de 60% das despesas das famílias.

Segundo o IBGE, os preços do grupo Alimentação e Bebida recuaram 0,5% em junho, sobre deflação de 0,35% no mês anterior, pressionado principalmente por alimentos para consumo em casa.

A deflação mais forte no mês passado veio do grupo Habitação, de 0,77%, sob a influência do recuo de 5,52% das contas de energia elétrica.

Já os preços de Transportes caíram 0,52% em junho, principalmente porque os combustíveis recuaram 2,84%. A Petrobras vem reajustando constantemente o preço médio da gasolina e do diesel nas refinarias.

Por outro lado, os preços de serviços aceleraram a alta a 0,43% em junho, sobre 0,05% em maio.

Ainda que a economia brasileira dê algum sinal de recuperação, a inflação no país vem em trajetória de queda, dando espaço para o BC continuar reduzindo a taxa básica de juros Selic. Entretanto, o presidente do BC, Ilan Goldfajn, já havia adiantado que o resultado de junho do IPCA por si só seria pontual e não teria implicação relevante para a condução da política monetária.

O BC já cortou a Selic a 10,25% e a expectativa é de que reduza a taxa a 9,5% na reunião deste mês, levando-a a 8,5% no final do ano de acordo com a pesquisa Focus.

Como esforço para mostrar a continuidade da política econômica mais austera, em meio à intensa crise política, o governo fixou para 2019 o centro da meta de inflação a 4,25% pelo IPCA e, para 2020, a 4%, nos dois casos com tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.

*****

Atenção!!!

Reforçando o conceito de portal, estamos tentando reunir as principais notícias (relacionadas aos temas que tratamos aqui no Portal Mobills) que foram publicadas nos mais importantes sites e trazendo para vocês.

Nosso objetivo com isso é sempre transmitir conteúdo com a maior qualidade possível para nossa audiência. Portanto, lembrem-se de acessar nosso site todos os dias e conferir, em um só lugar, as notícias e artigos mais relevantes sobre Finanças PessoaisInvestimentosEconomiaPlanejamento FinanceiroEmpreendedorismo e outras temas essenciais para o seu sucesso financeiro.

*****

Leia mais:

14 dicas super simples para economizar no supermercado

Os efeitos da inflação sobre as finanças pessoais

Taxa de inflação: o que é e as consequências para seu bolso

Banner convidando para o site do Mobills

Comentários

Sobre o autor

Victor Leitão

Victor Leitão

Victor Leitão, coordenador de marketing e especialista em finanças pessoais do Mobills, além de ser o editor-chefe do Portal Mobills. Formado em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Ceará - UFC e técnico em informática pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - IFCE. Pesquisador incansável dos temas educação financeira e finanças pessoais. Principais hobbies: assistir filmes/séries, jogar futebol/Dota 2 e viajar.