Notícias

Inflação em baixa: por que nem todos sentem alívio no bolso?

Victor Leitão
Escrito por Victor Leitão

Economistas explicam que sequência longa de picos de inflação dificulta comparação de preços; renda familiar menor por causa do desemprego também influencia.

*Conteúdo publicado originalmente por G1

Banner convidando para o site do Mobills

A inflação vem perdendo força desde a disparada de mais de 10% em 2015, o que é apontado como um bom sinal pelos economistas.

Mas, entre os consumidores, não há consenso de que é possível sentir algum alívio no orçamento.

Economistas ouvidos pelo G1 explicam que essa sensação é reflexo do acúmulo de muitos anos de inflação alta, além do clima de incerteza em meio ao desemprego ainda em níveis elevados.

Preço alto ou alta de preços?

A aposentada Neide Brito diz que, quando vai ao supermercado, sente que os preços continuam muito altos. “O meu dinheiro não está dando”, reclama. “Não está havendo melhora nenhuma.”

O primeiro ponto que pode gerar dúvidas entre os consumidores é a diferença entre o patamar dos preços e o ritmo de aumento desses valores.

“As pessoas às vezes confundem inflação baixa com queda de preços”, explica Zeina Latif, economista-chefe da XP Investimentos.

Você pode ter algum produto caindo, claro, e no conjunto todos vão na média apenas subir num ritmo mais lento”, complementa Lafit.

Outro fator que pode atrapalhar a sensação de melhora é o acúmulo de vários meses de inflação muito elevada. “O que a gente continua sentindo é que cada vez que vai ao supermercado está mais caro, isso é uma sensação que acho que demora muito tempo de inflação baixa, se é que vai acontecer, para a gente mudar”, pontua José Francisco de Lima Gonçalves, economista-chefe do banco Fator.

Após picos tão altos de inflação, o consumidor perde a capacidade de percepção porque compara os preços com o período anterior, avalia Otto Nogami, professor de economia do Insper. “Com essa última elevação dos preços, em 2015 principalmente, o consumidor começou a perder o referencial de preço”, diz.

Renda menor

É possível acrescentar ainda outro elemento que faz com que a sensação de alívio para o bolso fique mais difícil: o desemprego.

Com a renda das famílias menor, a percepção de que está mais difícil adquirir os mesmos produtos ao longo do tempo fica mais forte.

“Eu fiz um levantamento. Os preços de (itens de) alimentação subiram iguais a inflação. De 2015 para cá, a inflação subiu 23%. Alimentação também, 23%. Em termos reais, não houve aumento”, conta André Braz, coordenador do IPC do FGV IBRE.

“Mas houve um aumento absurdo da taxa de desemprego. As famílias estão convivendo com nível de desemprego maior, diminuição nos recursos para adquirir esses alimentos, acham que o preço está mais alto.”

Em junho, o Índice de Preços ao Consumidor (IPCA) teve deflação de 0,23%, a primeira em 11 anos, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Comentários

Sobre o autor

Victor Leitão

Victor Leitão

Victor Leitão, coordenador de marketing e especialista em finanças pessoais do Mobills, além de ser o editor-chefe do Portal Mobills. Formado em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Ceará - UFC e técnico em informática pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - IFCE. Pesquisador incansável dos temas educação financeira e finanças pessoais. Principais hobbies: assistir filmes/séries, jogar futebol/Dota 2 e viajar.