Estilo de Vida

Freelancer: o que é, como começar, com o que trabalhar?

Victor Leitão
Escrito por Victor Leitão

Já pensou em ser freelancer? Então, você está no artigo certo! Analisamos 5 pontos importantes sobre essa profissão autônoma que chegou para ficar.

Freelancer: o que é, como começar, com o que trabalhar?

Banner convidando para o site do Mobills

Freelancer é o profissional que trabalha de forma autônoma, ou seja, sem carteira assinada, podendo prestar serviços para empresas ou pessoas físicas. Geralmente, eles são encontrados desenvolvendo trabalhos como de designers, redatores, fotógrafos, jornalistas, programadores, entre outros.

O freelancer, muitas vezes, começa fazendo trabalhos paralelos e ao desenvolver uma boa carteira de clientes e uma demanda atrativa acaba abandonando o emprego com carteira assinada e enveredando pelo empreendedorismo individual.

Ou, ainda, pode ser uma opção para quem está com dificuldade para se colocar ou recolocar no mercado de trabalho, seja por conta da crise ou por um desejo de mudar de área.

Nesse artigo, vamos analisar 5 pontos importantes para que você decida se freelancer é algo que te atraí e como fazer para entrar no mercado como um bom profissional. Se o assunto te interessa, venha descobrir mais sobre ele.

Especialidades mais comuns para freelancers

Como a principal característica de um freelancer é a autonomia muitas áreas se enquadram como possibilidades, as mais comuns são:

  • Arquitetura;
  • Design digital;
  • Design gráfico;
  • Direção de arte;
  • Eventos;
  • Fotografia;
  • Gerenciamento de projetos;
  • Ilustração;
  • Jornalismo;
  • Marketing;
  • Marketing Digital;
  • Mídias Sociais;
  • Moda;
  • Motion;
  • Pesquisa;
  • Planejamento de comunicação;
  • Produção de vídeo;
  • Programação;
  • Redação;
  • Revisão;
  • SEO;
  • Tradução.

Quais as características fazem um bom freelancer?

homem mexendo no celular e no notebook ao mesmo tempo

  • Organização: ser organizado é crucial para se dar bem nesse modelo de trabalho, uma vez que sem chefe para controlar suas demandas, seus horários e sua produtividade, toda a carga de cobrança estará por sua conta. Além, é claro, do planejamento financeiro de seus projetos. Não se esqueça, você será responsável por todo o processo que antes era segmentado, então da prospecção de clientes até a finalização do projeto todas as etapas dependem de você. Dessa forma, saber qual o seu limite de trabalho e quantos projetos pode assumir ao mesmo tempo também faz parte da sua organização. Entender os custos associados ao trabalho para não terminar no prejuízo ou ter que pedir um aumento no valor acordado também são pontos importantes para reforçar uma imagem profissional e competente.

O planejamento financeiro deve ser levado em consideração também em sua vida pessoal, pois como se sabe a renda nessa modalidade de trabalho é variável, podendo ter meses que você irá triplicar ou quintuplicar o que ganhava como empregado, mas em outros meses seu faturamento pode ser bem abaixo. Assim, ter o devido controle de suas finanças e constituir reservas de emergências são imprescindíveis para seu sucesso profissional, pois assim, caso passe alguns meses de escassez de trabalho ainda terá como se manter.

  • Networking: para começar a trabalhar por conta própria é importante ter construído uma sólida base de clientes ou ter um bom relacionamento com um número razoável de pessoas que conheçam e possam indicar seu trabalho. Muitas vezes é possível trabalhar para a própria empresa da qual saiu como empregado, passando a ser contratado como freelancer.
  • Portfólio: é essencial para qualquer profissional freelancer saber “se vender”, porém para aqueles que estão em uma área diferente de sua área de formação, ter um bom portfólio é ainda mais decisivo, pois para comprovar sua capacidade de realizar um bom trabalho é necessário algo palpável que o cliente possa analisar de forma concreta. Assim, certifique-se de ter um bom portfólio em mãos quando for prospectar ou visitar clientes.
  • Profissionalismo: todo e qualquer trabalho deve ser entendido pelo que de fato é: uma responsabilidade profissional. Não é porque você está executando suas tarefas de forma mais despojada, muitas vezes em sua própria casa e com uma liberdade maior de horário, que os seus compromissos sejam menos sérios. Você pode ser o melhor profissional da sua área do ponto de vista técnico, mas uma postura pouco profissional pode te tirar do mercado rapidamente. Atitudes como não cumprir prazos, não responder o seu cliente e entregar um serviço com menos qualidade do que o combinado (seja por falta de organização ou por desleixo) vão te deixar com uma péssima reputação!
  • Multidisciplinariedade: como já citado no tópico da organização, o profissional freelancer precisa tomar conta de todas as etapas do processo de realização de um projeto, assim, ele precisa ser bom em se relacionar com os clientes, entender um pouco de contabilidade e custos e ser disciplinado para entregar seu trabalho no prazo. Dessa forma, se deseja ser freelancer, mas sua habilidade interpessoal é ruim, antes de se aventurar como freelancer full-time é importante tentar desenvolver esse seu lado, caso contrário, pode terminar sendo um profissional competente sem demanda de trabalho, já que não possui empatia para conquistar clientes. Ou, ainda, ser ótimo com vendas e com a realização do trabalho, mas ser ruim na gestão dos recursos e acabar comprometendo valores de um projeto em outros, acabando por descapitalizar-se e terminar se enrolando financeiramente.
  • Automotivação: trabalhar por conta própria exige uma automotivação diária. Claro que como o horário é flexível, você pode dormir até mais tarde uma vez ou outra ou postergar uma tarefa que não deseja fazer no momento, mas é essencial que se mantenha um ritmo mínimo para que o desânimo e a preguiça não se tornem suas companheiras. O grande perigo é postergar demais as tarefas e acabar fazendo tudo em cima da hora e com uma qualidade ruim, o que fará mal para sua imagem profissional. Muitas pessoas que tralham em casa têm um escritório ou um espaço separado para isso, fazem cronogramas de trabalho com horas diárias de trabalho e se vestem apropriadamente como se estivessem em uma empresa, para que haja essa quebra entre vida pessoal e profissional.
  • Espírito aventureiro: quem se dispõe a viver na incerteza do mercado freelancer deve ter um espírito aventureiro e destemido para enfrentar as oscilações das demandas sem se desesperar.
  • Resiliência: se você não é acostumado a lidar com clientes diretamente, cuidado, pois esse é um dos pontos mais importantes para se tornar um freelancer de sucesso. O relacionamento com cliente exige resiliência, ou seja, demanda que você se adeque as diferentes demandas que surgir e esteja aberto a novas possibilidades. Por exemplo, se o cliente quer que você realize algo que você não está habituado a fazer, mas sabe que tem capacidade, porque fechar-se para uma boa oportunidade? Use sua resiliência e atenda a demanda, talvez você esteja até prestes a descobrir uma nova área para oferecer seus serviços, uma área com escassez de profissionais competentes.

O que é preciso para ser um freelancer?

pessoa com uma câmera fotográfica no pescoço e segurando-a na mão esquerda

Em algumas áreas os diplomas são exigidos, profissionais como contadores e arquitetos são bons exemplos. Porém, em outros casos como fotógrafos, produtores de eventos e designers tal exigência não é necessária, mas como já citado, bons portifólios são cruciais para o sucesso na carreira.

A regularização junto a Receita Federal é algo importante também, pois traz oportunidades de trabalhar para grandes empresas e aumentar os rendimentos. O Microempreendedor Individual (MEI) foi a maneira encontrada pela legislação brasileira para regularizar a quantidade crescente de freelancers e negócios individuais no país.

Uma grande vantagem do MEI para o freelancer é o registro no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ), o que permite a emissão de nota fiscal e abre uma série de possibilidades de trabalhos com empresas.

Outra grande vantagem do MEI é a possibilidade de optar pelo Simples Nacional, o que reduz bastante a burocracia e os valores pagos em impostos, pelo Simples ser isento de tributos federais, como Imposto de Renda, PIS, Cofins, IPI e CSLL.

Se optar pelo MEI, por exemplo, você tem direito a benefícios como aposentadoria, auxílio doença, salário maternidade, sua família poderá receber pensão por morte e auxílio reclusão.

Não deixe de conferir se a sua área de atuação está enquadrada como MEI e regularizar sua situação antes de começar a trabalhar exclusivamente como freelancer. O processo pode ser feito online pelo Portal do Empreendedor.

Depois de regularizada a situação, a questão a ser resolvida é: onde desenvolver suas atividades? Há várias opções, você pode ser contratado para trabalhar dentro da própria empresa que te contratou, pode fazer home office ou coworking.

O home office pode se tornar muito confortável para alguns, atrapalhando a produtividade e a concentração, assim, caso não queira dispor de dinheiro para alugar uma sala em locais de coworking, que geralmente oferecem toda uma estrutura profissional, pode procurar locais como cafés, bibliotecas públicas, até mesmo, shoppings para realizar seus trabalhos. Contanto que sejam um local no qual seu rendimento seja satisfatório.

Para fechar esse tópico, vamos abordar uma dúvida: como definir quanto cobrar pelo trabalho?

É importante estar inteirado do que o mercado está cobrando por serviços parecidos, não que esse seja o preço que você deve cobrar, mas te dará uma base para não ficar muito abaixo ou acima dos preços praticados. Estar ciente dos seus custos também ajudará nessa precificação, além de ter em mente o valor da sua hora de trabalho. Assim, analisando esses fatores é possível encontrar um preço razoável para satisfazer o cliente e garantir seu lucro.

Vantagens e desvantagens

tabela com as vantagens e desvantagens de ser um freelancer

Para finalizar, temos quatro dicas para quem deseja driblar algumas das desvantagens listadas:

1. Freelancer mensal

duas pessoas apertando as mãos

O inimigo número um dos freelancers é a instabilidade financeira, para aplacá-la é possível criar uma demanda mensal em seus clientes, fazendo planos para que eles o contratem mensalmente.

Assim, além de aumentar seu volume de trabalho terá uma certa regularidade de renda, e os planos mensais podem ser mais vantajosos para os contratantes também, para isso ofereça preços mais baixos para os serviços contratados na forma de pacote em relação aos pontuais.

Caso sua área tenha demandas mais espaçadas não deixe o contato com o cliente morrer e marque na agenda para contactá-lo no período em que o serviço deve ou pode ser realizado novamente.

2. Freelancer full-time

homem sentado em seu escritório com uma caneca na mão

Se você tem um emprego e está pensando em deixá-lo para tornar-se freelancer full-time, aconselhamos que não faça isso antes de ter: experiência na área que pretende atuar, uma boa base de clientes, um portfólio e reservas financeiras para se manter por pelo menos 3 meses.

O ideal é começar pegando projetos paralelos ao seu emprego e após um tempo, quando for visível a vantagem de trocar o emprego pela autonomia da vida de freelancer, tomar a decisão de continuar apenas como freelancer.

3. Onde procurar trabalhos

pessoa segurando seu celular

A primeira opção é oferecer seus serviços para as empresas em que já trabalhou como empregado, essa estratégia tem a vantagem de os colaboradores dessas empresas já conhecerem seu trabalho.

Você também pode ativar seu networking, avisando para seus contatos que está trabalhando como freelancer e pedindo indicações.

Outra opção é trabalhar o SEO do seu site para que ele apareça bem colocado no Google e traga mais oportunidades pra você.

Usar as redes sociais também é de grande ajuda, pois traz visibilidade para o seu trabalho. Essa porta pode ser aberta através da participação em concursos dentro da sua área, pela produção de conteúdo para um blog ou para o YouTube.

Por último, indicamos as plataformas que prometem fazer a ponte entre contratantes e freelancer, porém, é importante frisar que os valores oferecidos nesses sites nem sempre são atrativos, por isso as opções anteriores devem ser exploradas mais intensamente.

Seguem algumas opções:

4. Como elaborar uma proposta de trabalho

Sua proposta deve conter:

  • Seu nome;
  • Seu contato;
  • Para quem escreveu a proposta;
  • Data de validade da proposta (uns 2 dias úteis é o suficiente);
  • Uma breve apresentação sua e de suas qualificações para o trabalho;
  • Data de entrega de cada uma das etapas do projeto;
  • Valores e condições de pagamento.

A proposta deve ser concisa, pois a maioria dos clientes não dispõe de muito tempo e passam rapidamente para a parte dos valores, então seja direto e escreva somente o necessário.

Veja um exemplo:

 

Pelo padrão de mercado a resposta pode ser dada via e-mail por um “ok”. Assim, ambos já têm uma prova de que o serviço foi devidamente contratado.

O ideal é que ao fechar o contrato um adiantamento de 25% a 50% do custo total do projeto seja depositado para o profissional. Esse valor servirá para cobrir as despesas iniciais do projeto e garantir que caso o cliente desista do negócio você não fique no prejuízo.

*****

LEIA TAMBÉM:

A importância de ter rendas extras

Como ter hobbies sem ficar falido

Finanças pessoais: como organizar o orçamento em tempo de crise

*****

E então, gostou de aprendeu mais sobre freelancer? Já trabalha na área, que outras dicas pode nos dar?

Banner convidando para o site do Mobills

Gostou do artigo Freelancer: o que é, como começar, com o que trabalhar?? A sua opinião é muito importante para nós! Sugira novos temas, deixe seu comentário.

Comentários

Sobre o autor

Victor Leitão

Victor Leitão

Victor Leitão, coordenador de marketing e especialista em finanças pessoais do Mobills, além de ser o editor-chefe do Portal Mobills. Formado em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Ceará - UFC e técnico em informática pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - IFCE. Pesquisador incansável dos temas educação financeira e finanças pessoais. Principais hobbies: assistir filmes/séries, jogar futebol/Dota 2 e viajar.