Sair das dívidas

Deixando a vida de endividado S01E02

Pessoa segurando um cartão de crédito representando o tema Deixando a vida de endividado
Rafael Izzo
Escrito por Rafael Izzo

Veja a continuação da história do Rafael Izzo, o qual busca mudar sua situação financeira.

Deixando a vida de endividado S01E02

Banner convidando para o site do Mobills

Tem pouco mais de um mês que eu fiz esse post aqui falando sobre como eu tava usando o Mobills pra tentar melhorar um pouco a minha vida financeira. Acho que já tá na hora de atualizar essa epopeia com tudo o que rolou depois desse post.

Deixando a vida de endividado S01E02

 

Diagnóstico

Bom, o primeiro mês serviu, basicamente, pra conhecer a ferramenta e pra entender melhor qual era a minha real situação financeira.

Atingi o sucesso nas duas tarefas: Eu consegui me acostumar bem com o Mobills, tanto na parte web como no app e considero a ferramenta bem completa.

Já na parte da minha situação financeira, apesar de saber que vai demorar um pouco até eu poder dizer que estou livre de dívidas, eu fiquei bastante otimista ao ter a noção real do problema e finalmente consegui vislumbrar um futuro relativamente mais tranquilo.

Dificuldades

O meu problema, como o de milhões de outros brasileiros, sempre foi o de se perder com o crédito fácil, principalmente o do cartão de crédito. Querem um exemplo prático? Vamos lá.

Minha esposa e eu gostamos bastante de sair para comer fora e sempre que possível a gente faz um esforço pra ir num restaurante legal pelo menos uma vez no mês. Nada fora do normal, afinal de contas, a gente trabalha e merece um afago no estômago, certo?

Nesses últimos tempos, mesmo a gente sabendo que a grana estava curta, ainda assim a gente mantinha esse hábito, visto que (no nosso pensamento) não iam ser R$120,00 que iam falir a gente.

O diabo, como dizia o poeta, mora nos detalhes. O problema desse nosso pequeno luxo era o fato de que esses R$120,00 geralmente eram gastos no cartão de crédito, o qual muito provavelmente já estava próximo do limite, pois utilizamos ele para os gastos do dia a dia depois que o dinheiro do salário acaba.

E, no mês seguinte, acabamos não pagando todo o cartão porque senão o dinheiro do salário não daria pras outras despesas do mês. Resultado: dos R$120,00 a gente paga R$60,00 num mês e deixa R$60,00 pro outro. Como o cartão de crédito não é instituição de caridade, nessa brincadeira eu pago mais R$6,60 de juros. Um mês depois o meu jantar custou R$126,60.

Acontece que eu não faço isso só esse mês, né? Como dizem, dor de barriga nunca dá uma vez só, então, lá vamos nós pagar só metade do cartão de novo… logo, a dívida que era de R$66,60 foi alongada mais um pouco e sobrou R$33,30 pra pagar no OOOOUTRO mês. Mais 10% de juros e em 2 meses o meu jantar de R$120,00 virou uma despesa de R$129,93 e AINDA NÃO PAROU DE CRESCER.

Como o Mobills ajuda com o cartão de crédito

Eu fiz umas contas bem rudes aqui sobre o cartão de crédito e acredito que muita gente realmente saiba como esse pedacinho de plástico pode destruir vidas, mas a diferença de ter um auxílio como o do Mobills é que quando você não paga toda a fatura, o valor que você não pagou automaticamente entra como débito no mês seguinte e fica lá gritando pra você “ME PAGUE!!!”.

Sem esse tipo de auxílio visual, a gente fica com a impressão de que não tem dívidas e que está tudo bem. Então, ter essa nova percepção me abriu os olhos para dois hábitos ruins que eu tinha, um deles era o de me permitir alguns luxos mesmo quando financeiramente eu não podia pagá-los e o outro era o de acreditar que o cartão de crédito era uma extensão do meu dinheiro.

Eu percebi esses dois pontos e já estava agindo em cima deles quando o Banco Central resolveu implementar uma nova regra pro pagamento do rotativo dos cartões de crédito. Eu, particularmente, achei essa nova regra muito boa, pois ela evita que o cliente utilize o rotativo continuamente ao mesmo tempo em que propõe uma nova forma mais justa de quitar sua dívida.

Acredito que essa nova regra vá acabar ensinando pra mais gente o que eu só fui aprender com o Mobills. Aliás, falando em Mobills, é importante salientar que essa nova forma de negociação dos cartões ainda não está inserida no sistema, então se você for utilizar o novo formato, terá que apelar pras famosas gambiarras.

No meu caso eu resolvi da seguinte forma: Paguei o valor acordado da negociação com meu cartão e apaguei manualmente o restante da fatura que vai pro outro mês. Aí eu inseri também manualmente o valor TOTAL da negociação como se fosse uma despesa dentro do cartão e coloquei o número de parcelas acordado. Assim eu consigo manter todas as minhas contas controladas e sem sustos no futuro.

Criando metas

Uma outra ferramenta do Mobills que comecei a usar esse mês foram as metas. Eu comecei a utilizá-las pois com dois meses de uso eu já consegui identificar melhor onde e com o que eu costumo gastar meu dinheiro.

Como nem todas essas despesas são fixas, eu não tenho como planejá-las no sistema como conta de TV a cabo, energia etc. Então, ao colocar essas despesas como metas, eu tenho uma visão ainda mais detalhada de como serão os meus próximos meses. Um exemplo são as minhas despesas com mercado.

Eu não tenho como colocar o valor de mercado em despesas futuras porque nunca sei exatamente quanto vou gastar de mercado e nem sei qual é o dia que vou ao mercado. Vamos combinar que marcar o dia da compra é hábito antigo, né?

Hoje em dia, eu vou várias vezes por mês ao mercado e faço várias pequenas compras. Portanto, nesse caso, pra que essa despesa aparecesse nas minhas simulações dos próximos meses eu estipulei uma meta mensal de gastos com mercado.

Toda vez que eu tenho um gasto nessa categoria, o sistema deduz automaticamente dessa meta e também me avisa quando estou próximo de atingir a meta. Dessa maneira, eu fico esperto pra não extravasar.

Evolução das metas

As metas vão evoluindo e ficando cada vez mais certeiras à medida que você vai utilizando o sistema e entendendo melhor pra onde vão seus gastos. Inclusive, pros próximos meses, o meu objetivo é ter metas bem estabelecidas e ficar todos os meses dentro do planejado.

Por falar nisso, vamos ver se vocês conseguem cumprir a meta de, ao chegar até aqui no texto, compartilhá-lo nas redes sociais pra dar uma moral pra este que vos fala e pro Portal Mobills. Não vamos estipular meta, mas se atingirmos a meta, dobramos a meta. 😀

*****

Ama escrever e gosta do tema finanças pessoais? Conte suas experiências voluntariamente no Portal Mobills e colabore para a educação financeira de outras pessoas. Preencha o formulário para se cadastrar!

Leia também:

10 dicas simples para acabar com as dívidas e começar a acumular dinheiro

Vale a pena pegar um empréstimo para pagar dívidas?

Como sair das dívidas do cartão de crédito em 5 passos

Se identificou com a continuação da história do Rafael? Também está querendo deixar a vida de endividado? Comece a utilizar o Mobills!

Banner convidando para o site do Mobills

Gostou do artigo Deixando a vida de endividado S01E02? A sua opinião é muito importante para nós! Sugira novos temas, deixe seu comentário.

Comentários

Sobre o autor

Rafael Izzo

Rafael Izzo

Profissional de marketing. Escrevo sobre tecnologia, manias, gambiarras e o que mais der na telha. Vejam minhas loucuras no Medium.com/rafaelizzo.